Propano

De Museu da Electricidade

Combutíveis fósseis

Molécula de propano
Molécula de propano
Bilha de gás propano
Bilha de gás propano

O propano é um alcano com três carbono, habitualmente na forma de gás mas igualmente passível de ser comprimido num líquido transportável. É um derivado do gás natural e do petróleo produzido pelo processamento de ambos. Pode ser usado como combustível para diferentes tipos de aplicações, como motores, maçaricos, fornos a gás, e também sistemas de aquecimento central de casas e espaços públicos.

Por Ricardo Pinto


Propriedades e reações

Este composto de fórmula química C3H8 efectua reações de combustão de forma similar à de outros alcanos. Na presença de excesso de oxigénio, o propano queima de maneira a produzir água e dióxido de carbono (C3H8 + 5 O2 = 3 CO2 + 4 H2O + calor). Quando não existe oxigénio suficiente para completar a combustão, dá-se uma combustão incompleta onde um dos produtos é também o monóxido de carbono (C3H8 + 3.5 O2 = CO2 + CO + C + 4 H2O + calor).

Ao contrário do gás natural, o propano é mais pesado do que o ar (1,5 vezes mais denso). Em estado bruto o propano afunda e sedimenta-se no fundo do ambiente onde se encontra enquanto que na sua forma líquida se converte instantaneamente em vapor à pressão atmosférica, ganhando uma cor esbranquiçada devido à condensação da humidade do ar.

Quando é devidamente queimado o propano produz cerca de 50 MJ/Kg. O calor bruto da combustão de um metro cúbico normal de propano é de aproximadamente 91 MJ. Por sua vez, a densidade energética do propano é de 46,44 MJ/Kg.

O propano não é tóxico, ainda que a sua inalação em excesso possa gerar um ligeiro risco de asfixia em resultado da provação de oxigénio. Os produtos comerciais feitos com este gás contêm outros ingredientes que poderão aumentar a sua perigosidade. Este género de produtos são geralmente armazenados sob pressão à temperatura ambiente, pelo que a sua expansão e arrefecimento ao serem libertados podem originar feridas por congelamento. Sendo mais pesado do que o ar, o butano tende a depositar-se junto ao chão de qualquer compartimento subterrâneo em que haja uma fuga.

A combustão do propano é muito mais limpa do que a da gasolina, embora não tão limpa quanto a do gás natural. A presença de ligações C-C associadas às diferentes ligações do propileno e do butileno geram gases de escape orgânicos para além do CO2 e do vapor de água durante uma combustão típica. Estas ligações também fazem com que o gás queime com uma chama visível.

Os factores de emissão de gases com efeito de estufa do propano são de 62,7 Kg de CO2/mBTU, de 1,55 Kg de CO2/l, ou de 73,7 Kg/GJ.


Utilizações

O propano é usado como combustível para cozinhar em muitos barbecues e fornos de tipo portátil, sendo geralmente armazenado em pequenos reservatórios pressurizados. É muito popular neste tipo de aplicações pelo facto do seu ponto de ebulição baixo (-42ºC) o fazer vaporizar assim que sai do reservatório, não sendo necessários quaisquer carburadores ou outros dispositivos de vaporização mas apenas uma agulheta. Em muitas zonas rurais dos EUA, o propano é utilizado em fornalhas, fornos, caldeiras de água, máquinas de secar, e outros dispositivos geradores de calor. Em 2000, era a principal fonte de calor doméstica para cerca de 6,9 milhões de norte-americanos.

O consumo de propano está a crescer também rapidamente em zonas não industrializadas do globo, onde começa a substituir a madeira e outros combustíveis convencionais como fonte de calor para cozinhar.

Este composto pode ser utilizado como combustível para automóveis na forma de gás de petróleo liquefeito (GPL). Este consiste normalmente numa mistura de propano com uma pequena quantidade de propileno, butano e butileno. É também acrescentado um produto aromatizante como o etanotiol ou o tiofeno para permitir a sua fácil detecção em caso de fuga. Propulsiona desta forma locomotivas, autocarros, empilhadoras, táxis, e outros tipos de veículos.

O propano também é importante na refrigeração não associada à rede eléctrica, sobretudo nos frigoríficos de absorção de gás. Nestes aparelhos, o isopropano e o isobutano podem ser utilizados como substitutos funcionais de CFCs, HFCs e de outros gases refrigerantes. É igualmente utilizado como matéria-prima no cracking de produtos petroquímicos, bem como no fabrico de propanol, um solvente muito comum, e como o principal combustível dos balões de ar quente.


Fontes

O propano é um subproduto de dois diferentes processos, o processamento do gás natural e a refinação do petróleo. O processamento do gás natural consiste na remoção do butano, do propano e de grandes quantidades de etano do gás natural em bruto de forma a evitar a condensação destes gases voláteis nos gasodutos. Por outro lado, as refinarias petrolíferas também produzem algum propano por meio do cracking do petróleo em gasolina ou óleo para aquecimento.

O fornecimento do propano não pode ser facilmente ajustado de maneira a ir ao encontro do aumento da procura devido à sua natureza de subproduto. Proximadamente 90% do propano dos EUA é produzido internamente. Este país importa cerca de 10% do propano consumido anualmente, do qual 70% vem do Canadá por gasoduto ou comboio. Por outro lado, os restantes 30% vêm por navio de outras partes do mundo.


História

O propano foi identificado pela primeira vez enquanto um componente volátil da gasolina por Walter O. Snelling, quadro do Bureau of Mines dos EUA, em 1910. Nos anos 20 do século XX iniciou-se o arranque em força da produção de gás de petróleo liquefeito, com um total de 844 mil litros logo em 1922.


Fonte

Wikipedia (Inglês)

Wikipedia (Português)