Heinrich Hertz

De Museu da Electricidade

Personalidades

 Origem: Hamburgo, Alemanha Nascimento: 22-02-1857  Morte: 01-01-1894

Origem: Hamburgo, Alemanha
Nascimento: 22-02-1857
Morte: 01-01-1894

Físico alemão que constrói em 1887 um aparelho que permite gerar e detectar as ondas electromagnéticas já percepcionadas na obra de James Clerk Maxwell, tornando-se na primeira pessoa a transmitir e a receber ondas de rádio.

Por Ricardo Pinto


Heinrich Rudolf Hertz interessou-se desde cedo pelas construções mecânicas que, ao terminar o colégio, o levaram a ingressar na faculdade de engenharia. Frequentou-a durante dois anos, mas o desejo de realizar investigação pura tornou-se mais forte que esta sua inclinação. Passou, então, em 1878, a estudar física na Universidade de Berlim.

A sua seriedade e empenho nos estudos logo foram notados por Hermann von Helmholtz, que foi seu professor. E quando este propôs aos seus alunos, em 1880, um trabalho sobre um problema da electrodinâmica, de escolha individual, Hertz apresentou uma pesquisa original, intitulada Sobre a Energia Cinética da Electricidade, à qual foi atribuída a melhor classificação.

Ainda nesse ano de 1880, Hertz tornou-se assistente de Helmholtz e, durante os três anos que passou em Berlim, ocupou-se com pesquisas experimentais sobre a elasticidade dos gases e sobre as descargas eléctricas através destes. Em 1883, obtém a docência na Universidade de Kiel, onde começa a estudar a electrodinâmica de Maxwell. Este tinha previsto teoricamente a existência das ondas electromagnéticas, que não tinham ainda contudo tido confirmação experimental.

Maxwell, ao desenvolver as descobertas de Michael Faraday e de outros cientistas, verificou que a ligação estreita entre electricidade e magnetismo, tornava possível a existência de uma onda do tipo electromagnética. Os seus cálculos matemáticos mostravam que a onda viajava à velocidade da luz, o que o fez suspeitar de que a própria luz era uma onda electromagnética. Uma dedução de uma das suas equações fazia prever que uma carga eléctrica oscilante emitiria ondas de energia electromagnética a partir da sua fonte.

Em 1886, Heinrich Hertz propôs-se então comprovar a teoria de Maxwell sobre a existência de ondas de rádio. Usou um dispositivo chamado “bobina de indução” para produzir uma tensão elevada e fez saltar faíscas a alta tensão entre duas varetas e verificou que saltavam pequenas faíscas através de um espaço entre outras duas varetas colocadas a uma certa distância, sugerindo que a sala estava a ser atravessada por ondas electromagnéticas. Usando reflectores curvos e rectilíneos, prismas de madeira e muitos outros dispositivos, conseguiu mostrar que as ondas se comportavam de forma muito semelhante à luz.

Uma das consequências mais importantes das investigações e experiências feitas por Hertz foi a invenção e o rápido progresso da telegrafia sem fios. De facto, embora eles não estivessem interessados na transmissão de sinais a grande distância, Maxwell e Hertz foram os dois sem dúvida alguma, “os pais da T.S.F.”: Um estabeleceu os fundamentos teóricos, o outro, as bases experimentais. O resto resume-se à evolução e aperfeiçoamento técnicos, como o demonstra o trabalho de Guglielmo Marconi dez anos mais tarde, do qual resultou a telegrafia sem fios, ou seja o envio de mensagens sem a necessidade de ligações por fios.

Durante as suas investigações sobre o Electromagnetismo, Hertz fez ainda uma outra descoberta sobre um fenómeno ainda não identificado que estabelecia uma nova ligação entre a óptica e a electricidade cuja importância teórica e prática não iria cessar tão cedo de crescer: a influência da luz ultravioleta sobre a descarga eléctrica, ou como se diz hoje, o Efeito Fotoeléctrico. Este trabalho surge em 1887, e foi considerado um modelo de sagacidade, espírito de observação e de rigor científico. O referido efeito só será completamente explicado em 1905 por Albert Einstein.

Embora ciente da desconfiança com que o mundo científico acolhia as hipóteses de Maxwell, Hertz apresentou os resultados irrefutáveis de seus trabalhos ao Congresso da Sociedade Alemã para o Progresso da Ciência, em 1888. Estes vão deitar por terra os velhos conceitos de acção a distância, assim como as tentativas dos mecanicistas em reduzir a electrodinâmica a um processo do tipo newtoniano, explicada por movimentos de corpos invisíveis num meio hipotético, o éter.

Os expressivos resultados de suas experiências, que revelam as características das ondas electromagnéticas, fizeram com que elas fossem baptizadas com o nome de ondas hertzianas.

Após este o ciclo de experiências e concluído este capítulo das suas pesquisas, os interesses de Heinrich Hertz voltaram-se para uma visão mais ampla da física e para problemas universais.

Um de seus trabalhos foi tentar explicar toda a mecânica por meio do que chamou o "princípio da trajectória rectilínea". Apesar de Hertz não ter tido sucesso nessa empresa, uma versão actualizada do seu princípio encontrou posteriormente aplicação na Teoria da Relatividade de Albert Einstein.

Fonte

Wikipedia